Mundo

Amazon, Walmart, eBay, Sears e Etsy param venda de bandeira escravagista

As principais redes varejistas e de comércio eletrônico dos EUA anunciaram a suspensão da venda da bandeira de guerra da Confederação sulista (1861-65), símbolo do período escravagista usado por grupos racistas até hoje.

Depois do anúncio feito pelo Walmart na segunda (22), Amazon, eBay, Sears e Etsy decidiram nesta terça (23) também suspender a venda do produto.

Os anúncios ocorrem dias depois de o jovem branco Dylann Roof ter matado a tiros nove fiéis negros em um ataque a uma igreja em Charleston, segunda maior cidade da Carolina do Sul, na quarta-feira (17).

No sábado (20), foram divulgadas fotos de Roof, 21, armado e com uma bandeira confederada na mão.

Ativistas e autoridades da Carolina do Sul, incluindo a governadora Nikki Haley e o prefeito Joseph P. Riley, pediram na segunda-feira (22) que a bandeira seja retirada do jardim do Legislativo estadual.

“Nunca quisemos ofender ninguém com os produtos que oferecemos”, disse o porta-voz do Walmart Brian Nick. “Tomamos medidas para remover todos os itens promovendo a bandeira confederada – de nossas lojas ou site”, completou.

À rede de TV CNN, um porta-voz da Amazon disse que a companhia também adotaria a medida.

Para Johnna Hoff, porta-voz do eBay, a bandeira confederada “se tornou um símbolo contemporâneo de divisão e racismo”.

A empresa, disse, banirá a venda das bandeiras e de “vários itens que contenham sua imagem”.

A Sears Holdings Corporation, que opera a Sears e Kmart, também anunciou a adoção da medida.

A empresa de comércio eletrônico Etsy informou à revista “WIRED” sua decisão de parar a venda do produto.

“As políticas da Etsy proíbem itens que promovam, apoiem ou glorifiquem o ódio, e [a bandeira confederada] entra nessa categoria”, disse um porta-voz da companhia.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir