Política

Aleam aprova PL que possibilita gratificar professores do AM sem descumprir LRF

Aleam

Pauta com cinco itens foi discutida e votada, sendo quatro projetos aprovados pela Assembleia e um retirado de votação, nesta terça (19) – foto: divulgação

A aprovação do Projeto de Lei 138/2015 que altera o Programa de Incentivo ao Cumprimento de Metas da Educação Básica (Lei 3.279/2008) e cria o Fundo Estadual de Incentivo ao Cumprimento de Metas da Educação Básica foi o principal destaque na votação da Ordem do Dia da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), nesta terça (19).

Sob a presidência do deputado Josué Neto (PSD), com a presença de 22 deputados, a pauta com cinco itens foi discutida, votada e quatro projetos foram aprovados, sendo um retirado de votação.

Com a alteração da Lei 3.279, de acordo com o líder do governo e deputado estadual que encaminhou a votação, David Almeida (PSD), o governo tira o peso financeiro da rubrica de ‘salários’ – que já está no limite da Lei de Responsabilidade Fiscal com a crise – e passa para a rubrica ‘custeio’, reduzindo o peso no orçamento salarial.

Além disso, a criação do Fundo de Incentivo vai proporcionar maior flexibilidade na premiação do 14º, 15º e 16º salário e bonificações aos professores estaduais.

O plenário votou e aprovou também o veto parcial do governador José Melo (PSD) suprimindo emenda dos deputados Alessandra Campêlo (PCdoB) e José Ricardo Wendling (PT), ao Projeto de Lei nº 127/2015, que autoriza o governo a conceder subsídio para custeio do serviço de transporte coletivo de Manaus.

“Prerrogativa municipal”

Na discussão da matéria, o líder David Almeida explicou que a lei autoriza a celebração de um convênio entre o governo e a prefeitura, e que a manutenção da emenda invadiria prerrogativa do município, tratando-se de vício de constitucionalidade material.

O vice-presidente da Aleam, deputado estadual Belarmino Lins (PMDB) defendeu a aprovação do veto governamental, argumentando que a emenda transferiria para a Prefeitura a obrigatoriedade do cumprimento de regras estabelecidas na lei, quando o espírito da lei define que, para o governo, quem deve estar habilitado para receber o dinheiro do convênio é o município, a quem compete a obrigatoriedade de exigir os requisitos legais das empresas.

O plenário aprovou ainda o Projeto de Decreto Legislativo nº 05/2015, encaminhado pelo governo, que define nomes para a composição do Conselho Estadual de Educação (CEE) e o Projeto de Lei nº 114/2015, do deputado Adjuto Afonso (PP), que declara de utilidade pública a Associação do Grupo União dos Idosos de Petrópolis.

Duas emendas da deputada Alessandra Campêlo ao PL nº 138/2015 foram rejeitadas pelos deputados em votação de destaque. Um Projeto de Lei Complementar oriundo da Defensoria Pública Estadual (DPE) foi retirado de pauta.

Com informações da assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir