Dia a dia

Ala cirúrgica de hospital em Manaus é inaugurada para realização de mais de 2,3 mil atendimentos

A nova área ocupa dois andares da unidade, com dez leitos de UTI, 11 salas cirúrgicas e 112 leitos de internação – Fotos: Divulgação

O maior Centro Cirúrgico e Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Norte e Nordeste do país foi inaugurado, nesta quarta-feira (16), no Hospital da Zona Norte – que era conhecido como Delphina Aziz -, em Manaus. A nova área ocupa dois andares da unidade, com dez leitos de UTI, 11 salas cirúrgicas e 112 leitos de internação.

O contrato de gestão de serviço com organizações sociais sem fins lucrativos para realizar, desde o atendimento médico até a parte administrativa, é considerado pelo governador interino do Amazonas, David Almeida, um marco na saúde pública do Estado do Amazonas. O Hospital da Zona Norte tem contrato exclusivo com o Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimento (Imed).

Leia também: Bandidos fazem vítimas no Hospital João Lúcio para assaltos e sequestro relâmpago

“Este é o modelo de gestão que deveríamos adotar em todas as unidades de saúde do Estado. O índice de satisfação de atendimento da população é acima de 90%, assim teríamos a excelência no atendimento à saúde no Amazonas” avalia o governador.

É o maior Centro Cirúrgico e UTI do Norte e Nordeste do país 

David Almeida deu como exemplo o Hospital e Pronto Socorro 28 de Agosto, no bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul de Manaus, que tem mais de 100 contratos de gestão de serviços. “Fica praticamente impossível para o poder público conseguir fiscalizar os procedimentos médicos, de manutenção, abastecimento, entre outros, com centenas de contratos para cada competência” avalia.

O governador anunciou que o maior Centro Cirúrgico do Norte e Nordeste do país levará o nome do jornalista e empresário Phelippe Daou, falecido em dezembro do ano passado, aos 87 anos de idade.

Mais cirurgias

A meta inicial do governo é realizar, no mínimo, 780 procedimentos cirúrgicos por mês. Com a ação, a Secretaria de Estado de Saúde (Susam) espera diminuir a fila de pacientes que aguardam por cirurgias em outras unidades de saúde.

Conforme o secretário de Saúde, Vander Alves, os procedimentos que serão realizados nesse período são na área de cirurgia geral. O gestor afirma que a ação vai diminuir a pressão sobre unidades de saúde como a Fundação Hospital Adriano Jorge (FHAJ), no bairro Cachoeirinha, Zona Sul da capital. Isso porque muitos dos pacientes que esperam por cirurgias no FHAJ são de casos de menor complexidade.

“Dessa forma, unidades como a FHAJ poderão se dedicar exclusivamente aos casos mais complexos. Ao mesmo tempo, conseguiremos diminuir a fila de espera por cirurgia e a ocupação de leitos nessas unidades”, explicou Alves.

Leia também: Hospital Francisca Mendes vai ampliar cirurgias cardiopata em recém-nascidos

A meta inicial do governo é realizar, no mínimo, 780 procedimentos cirúrgicos por mês

Imed fará procedimentos

O Imed fechou contrato com o Governo do Amazonas para a realização de 2.430 cirurgias eletivas no período de três meses. “A partir da oferta de cirurgias eletivas diversas, vamos encerrar a angústia da população que necessita do serviço público de saúde. Serão 90 dias de gestão forte, sempre com foco no atendimento de qualidade ao paciente, assim como já ocorre nos prontos-socorros e no centro de diagnóstico”, disse o diretor administrativo do hospital, Remídio Vizzotto Júnior.

O instituto administra o Hospital da Zona Norte desde a inauguração da primeira fase da unidade, em 2014, com a abertura dos prontos-socorros adulto e infantil, que realizaram mais de 14 mil atendimentos, em julho.

Desde fevereiro deste ano, com a inauguração da segunda parte do hospital, o Imed é responsável também pela gestão do centro de diagnósticos, um moderno parque de imagens com capacidade para realizar 18 mil exames de alta complexidade por mês.

Com informações da assessoria

Leia mais: 

Primeira etapa do ‘novo’ HUGV será inaugurada nesta sexta com o dobro da capacidade física atual

Programa de cirurgias em Iranduba deverá atender 2 mil pacientes em um ano

Fundação Cecon lança nova residência médica inédita no Amazonas

1 Comment

1 Comment

  1. Marcos

    16 de agosto de 2017 at 23:59

    Nada a ver colocar o nome do Phelippe Daou, tanto nome de médico bom e merecedor. Nem pra isso esse governinho sabe fazer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir