Política

‘Ajuste não é nem de direita, nem de esquerda, nem de centro’, diz Dilma a jornal

Em entrevista ao jornal belga “Le Soir”, publicada nesta segunda (8), a presidente Dilma Rousseff defendeu o freio de arrumação que seu governo está promovendo nas contas públicas e rechaçou a teoria de que sua equipe econômica está usando uma cartilha conservadora para organizar as finanças. “Tivemos que fazer esse ajuste, que não é nem de direita, nem de esquerda, nem de centro”, afirmou.

A presidente disse ainda que o ajuste fiscal “não é uma escolha”. “O ajuste é essencial. Não é algo que você pode ou não fazer: não há alternativa senão fazê-lo. E para isso é preciso coragem”, concluiu.

As recentes medidas econômicas têm sido alvo de críticas, inclusive do PT, partido de Dilma. Recentemente, parlamentares e militantes da sigla criticaram a agenda econômica e o ministro da Fazenda, Joaquim Levy. A presidente saiu em defesa do subordinado em entrevista publicada nesta segunda pelo “O Estado de S. Paulo”. À publicação, Dilma disse que Levy não deveria ser tratado como “judas”.

Ao “Le Soir”, Dilma voltou a sustentar que o ajuste “não é um fim em si mesmo” e que deve ser encarado como uma etapa para a retomada do crescimento do país.

Petrobras

Questionada sobre os efeitos da corrupção na Petrobras, Dilma afirmou que seu governo defende as investigações e tentou restringir os desvios a um grupo que não pertencia à sua equipe de confiança.

“A Petrobras é uma empresa com 90 mil funcionários. No entanto, apenas cinco pessoas estão envolvidas neste escândalo. (…) Essas cinco pessoas já não estavam trabalhando na Petrobras desde o final de 2011. Não porque eram suspeitos, mas porque quando eu tomei posse, eles não faziam parte dos membros da equipe em que eu confio”, afirmou.

 

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir