Saúde e Bem Estar

Adolescentes precisam visitar o urologista

A visita do adolescente ao urologista possui importante papel preventivo - foto: divulgação

A visita do adolescente ao urologista possui importante papel preventivo – foto: divulgação

Sempre motivadas pelas mães, as adolescentes do sexo feminino frequentam rotineiramente o ginecologista após atingirem a puberdade, com o objetivo de atentar-se para qualquer problema no aparelho reprodutor e esclarecer dúvidas sobre questões sexuais.

No entanto, o mesmo não acontece com o sexo oposto em relação a visitas ao urologista, uma vez que os garotos, diferentemente das meninas, costumam ser mais reservados quando o assunto é sexualidade e não procuram o médico antes de iniciar a vida sexual, além de raramente serem incentivados pelos seus pais a discutir o tema.

“Assim como as meninas, os garotos também precisam conhecer o funcionamento do corpo, esclarecer dúvidas e obter algumas certezas quanto a sua normalidade física. As visitas devem começar antes do início da atividade sexual, para que o jovem seja devidamente orientado e não tenha maiores prejuízos por praticar sexo de forma errônea ou despreparada”, afirma Silvio Pires, Urologista da Criogênesis.

Além do caráter educacional, o especialista destaca que a visita do adolescente ao urologista possui importante papel preventivo.

“Doenças crônicas, como diabetes, pressão alta e pedra nos rins podem ser prevenidas ou postergadas por visitas ao urologista desde a adolescência. A consulta ainda é necessária para que o paciente possa receber, de forma lúdica e didática, informações a respeito de doenças sexualmente transmissíveis e saber como evita-las”, alerta o especialista.

Resistência do adolescente

Para quebrar a resistência natural do adolescente em consultar o urologista, Pires defende que é recomendável que o mesmo participe ativamente da escolha do profissional que realizará o atendimento.

“Uma alternativa é o adolescente solicitar uma indicação a outros profissionais, como pediatras, por exemplo, que já o atendem há algum tempo ou a amigos que já consultaram um urologista”, observa. “Os pais possuem importante papel no incentivo a consulta, porém, em hipótese alguma, deve haver uma imposição por parte deles”, complementa.
O urologista ainda pontua que outra forma de fazer com que o adolescente sinta-se confortável é marcar a consulta e fazer apenas a primeira etapa dela. “Assim, como acontece com as meninas, os garotos também têm o direito de primeiro conhecer o médico, para depois, se deixarem examinar”, contemporiza Silvio Pires.

Mudança de paradigmas

O médico ainda ressalta que é preciso haver uma conscientização quanto ao momento de consultar um urologista. Muitos acreditam que só é necessário após os 40 anos de idade, quando a disfunção erétil e outros problemas comuns relacionados ao envelhecimento começam a rondar a saúde do homem.

“A alteração de comportamento deve partir da população masculina madura, que deve incentivar os adolescentes a procurarem, desde cedo, o médico do homem, tal como fazem as mulheres em relação a consultas ao ginecologista tradicionalmente. Cada vez mais a medicina encontra na prevenção a melhor arma contra as doenças que nos acometem ao longo da vida”, conclui o médico Silvio Pires.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir