Dia a dia

Acordo entre Ministério da Defesa e Suíça vai ajudar a ampliar monitoramento ambiental no AM

A promoção de ações para intercâmbio de cientistas estão entre medidas prioritárias do memorando de entendimento que será fechado na quarta-feira (23) - foto:

A promoção de ações para intercâmbio de cientistas estão entre medidas prioritárias do memorando de entendimento que será fechado na quarta-feira (23) – foto: divulgação

O Amazonas está entre os beneficiados com o acordo entre o Governo da Suíça e o Ministério da Defesa para intensificar as parcerias na área de Ciência e Tecnologia na Amazônia. A experiência com Veículos Aéreos Não Tripulados (Vant), movidos à energia solar, deve ganhar uma nova etapa de testes na região com auxílio do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam).

A promoção de ações para intercâmbio de cientistas, compartilhamento de dados e o desenvolvimento em conjunto de projetos de inovação tecnológica estão entre medidas prioritárias do memorando de entendimento que será fechado na quarta-feira( 23), em Brasília (DF).

Nesta terça-feira (22), o governador em exercício, Henrique Oliveira, reuniu com o secretário de Estado de Assuntos Exteriores da Suíça, Yves Rossier, e o embaixador do país no Brasil, André Regli. O encontro, na sede do Governo do Estado, na zona oeste de Manaus, foi definido como uma abertura de caminhos para criação de novas parcerias na área de Ciência, Tecnologia e Inovação especialmente para o Amazonas. Suíços apostam na inovação tecnológica e demonstraram interesse em áreas como a produção de fármacos e piscicultura.

De acordo com Henrique Oliveira, o acordo entre os governos brasileiro e suíço deve beneficiar o Estado no monitoramento ambiental, ajudando no trabalho de controle do desmatamento e manutenção das áreas de manejo.

“A Suíça, a exemplo do resto do mundo, é apaixonada por esse canto do Brasil e vem até o Amazonas tentar fazer parcerias. Assina um tratado com o governo federal para disponibilizar os drones, porque eles têm uma tecnologia que dominam fortemente nesta área. E esses drones são importantíssimos, inclusive, para que as áreas de preservação, as áreas de manejo florestal sejam fiscalizadas com mais rigor”, declarou o governador em exercício.

A cooperação envolve o Ministério da Defesa e o Departamento Federal de Assuntos Exteriores da Confederação Suíça e será formalizada durante ato que acontecerá na sede do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), em Brasília (DF). O acordo prevê aprofundar o intercâmbio científico entre os dois países dando seguimento aos projetos iniciados no ano passado com o Vant.

“É um acordo entre o Brasil e a Suíça que envolve o Sipam e a questão da defesa para uma melhor proteção do território da Amazônia, e isso, evidentemente, protege o Amazonas. Como a Suíça é bastante avançada na inovação e pesquisa, e esse acordo envolve esse tipo de matéria, pode beneficiar o desenvolvimento do Amazonas”, afirmou o secretário de Estado de Assuntos Exteriores da Suíça, Yves Rossier.

Drones – Testes com os drones começaram a ser feitos, ano passado, no Pará. A experiência ocorreu em outubro de 2015. À época, o Censipam acompanhou o voo experimental do Vant Atlantik Solar na rota entre os municípios paraenses de Barcarena e Melgaço, onde funciona a Estação Científica Ferreira Penna, na Floresta Nacional de Caxiuanã. Além de testar o equipamento, o voo serviu para recolher dados ambientais sobre o ecossistema amazônico, como informações atmosféricas sobre ventos, umidade, temperatura e radiação em locais nunca mapeados.

“Trabalhamos muito perto com o sistema Sipam e eles nos ajudaram muito. Daí cresceu a vontade de fazer um memorando entre a Suíça e Brasil para colaborar mais em várias áreas. Uma delas é na coleção e tratamento de dados que recebe dos satélites. Lá na Suíça, as universidades têm aplicações excelentes que podem tratar muitas informações para que o Sipam possa tomar as decisões”, destacou o embaixador André Regli.

O Vant movido à energia solar permite ampliar o monitoramento na região e a coleta de dados em regiões de difícil acesso. Ele foi desenvolvido pelo Instituto Federal de Tecnologia de Zurique, Suíça (ETH Zurich) e Swissnex Brasil, que é uma organização de apoio ao governo suíço. Além dos pesquisadores da Universidade de Zurich, a equipe no Brasil que acompanhou a iniciativa incluiu, ainda, integrantes da Universidade Federal do Pará, do ICMBio e do Museu Paraense Emilio Goeldi (MPEG).

Voos na região amazônica

Além dos drones, há empresas suíças interessadas em atuar na região amazônica com aviões de transporte de passageiros adequados para pistas de pequeno porte, segundo o embaixador. A medida iria atender ao padrão de pistas de pouso em cidades do interior de toda a região. A Swissnex Brazil, instituição mantida pelo governo suíço no Rio de Janeiro e São Paulo, é a porta de entrada para estreitar as colaborações na área de ciência e tecnologia com o Amazonas, disse Regli.

“Na área de Ciência e Tecnologia, na área de pesquisa, biotecnologia, há muitos pesquisadores suíços interessados na riqueza para desenvolver a área alimentar e também farmacêutica. Acho que tem um grande potencial para estabelecer parcerias”, frisou o embaixador.

Com informações  da assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir