Sem categoria

Acordo entre AM e China prevê aporte em piscicultura, infraestrutura e C&T

 Protocolo de intenções foi firmado entre o governador José Melo (Pros) e o presidente da estatal chinesa, China Eletronics Corporation, Liu Liehong, nesta quinta (21) – foto: Joandres Xavier


Protocolo de intenções foi firmado entre o governador José Melo (Pros) e o presidente da estatal chinesa, China Eletronics Corporation, Liu Liehong, nesta quinta (21) – foto: Joandres Xavier

O acordo firmado entre os governos do Amazonas e da China vão impulsionar a piscicultura regional e a infraestrutura logística do Estado – por meio de facilidades no acesso a crédito de bancos chineses para investimentos em obras– além de favorecer o projeto da Cidade Universitária – em Iranduba (a 22 quilômetros de Manaus).

Os eixos centrais da parceria, que prevê aporte de US$ 1 bilhão em projetos no Amazonas, foram divulgados na tarde desta quinta (21), durante assinatura do protocolo de intenções entre o governador José Melo (Pros) e o presidente da estatal chinesa, China Eletronics Corporation, Liu Liehong – representando o governo do país asiático –, na sede do Executivo estadual, situada na avenida Brasil, bairro Compensa, Zona Oeste da capital.

O valor do acordo firmado é de U$ 1 bilhão e consiste também no intercâmbio de conhecimentos em ciência e tecnologia entre o país asiático e o Amazonas, além do fornecimento de produtos agropecuários da região para o ‘dragão chinês’. O ato formaliza a participação no acordo bilateral entre os governos do Brasil e da China, firmado em Brasília (DF) na quarta-feira (20).

Mineração, produtos florestais e a proteção da região amazônica também são áreas de interesse dos chineses. Além do intercâmbio na área de ciência e tecnologia, está prevista a instalação de empresas chinesas no Polo Industrial de Manaus (PIM), a exemplo da própria China Eletronics Corporation.

Crédito barato

Na piscicultura, a ideia é fomentar a criação de peixe em cativeiro por agricultores e grandes empresários e a industrialização. Na infraestrutura, despontam as obras da Cidade Universitária da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), a duplicação da AM-010 (Manaus-Itacoatiara) e construção de um grande porto para as fábricas do PIM em Itacoatiara (a 176 quilômetros da capital).

O diferencial trazido pelo acordo bilateral, neste caso, está no baixo percentual de juros cobrados nos empréstimos concedidos por bancos e agências de financiamento chineses – inferiores, inclusive, aos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Segundo o governador, o acordo com a China abre um horizonte importante de investimentos em um período de crise da economia brasileira.

“A China é um país grande, rico, mas que precisa de alimentos. Eles viram no Amazonas um local que pode produzir. Vimos oportunidade de acessar esses recursos para transformar o Estado no grande produtor de peixe. Abriram o mercado para a carne e, agora, o peixe. Quero abrir oportunidade para que empresários acessem o crédito chinês para não só produzir, mas também industrializar e enlatar os peixes amazonenses”, comemorou Melo.

Visita em setembro

Em setembro deste ano, José Melo irá à China, acompanhado de secretários estaduais, além de representantes de entidades de classe da indústria e do comércio amazonense, para acertar as primeiras negociações de financiamento com bancos chineses e investidores.

“O que nos estamos assinando hoje é a abertura de uma janela que vai nos permitir acessar o que eles têm lá, e permitir que eles acessem o que nos temos aqui. Acho que isso ai seria fundamental para o Amazonas deixar de ser um Estado que tem mais de 80% da sua economia assentada na Zona Franca, para ter um outro modelo de desenvolvimento econômico que vai ajudar a Zona Franca” disse Jose Melo.

Para o representante chinês Liu Liehong o foco é ajudar no meio ambiente. “Nos já conseguimos o desenvolvimento econômico, mas nos importamos agora é com meio ambiente. Porque aqui sempre falamos: a Amazônia não é só do povo brasileiro, mas do mundo. Todo mundo tem responsabilidade de ofertar apoio para a Amazônia”, encerrou.

Com informações de Joandres Xavier (especial EM TEMPO Online) e da assessoria

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir