Dia a dia

Abandono do Ariaú viraliza nas redes sociais

Já em maio do ano passado era possível ver rastros de abandono no local – Fotos: Reprodução/Internet

Imponente em meio à Floresta Amazônica e palco de produções cinematográficas, o Amazon Ariaú Towers, o mais famoso hotel de selva da região, está em estado total de abandono. O fato, exposto em imagens compartilhadas nas redes sociais desde o início desta semana, tem gerado comoção entre os que ainda sonhavam em estar lá e, claro, naqueles que já estiveram onde, um dia, foi uma das maiores referências de turismo ecológico no Amazonas.

As imagens mostram o empreendimento destruído, com madeiras do assoalho soltas, portas das cabines caídas e o mato invadindo espaços onde, antes, servia como área de lazer aos turistas como Bill Gates, Leonardo Di Caprio, Jacques Costeau e outras celebridades.

“Eu tive o privilégio de tocar nesse lugar. Fiz muitos shows nos tempos de músico, cheguei a ficar hospedado em um dos quartos, fiz inúmeras recepções para celebridades que se hospedaram nesse hotel. É uma pena e um exemplo vivo de má administração. Quem perde é o Amazonas”, comentou Sidney Barbosa.

“Que triste. Visitei muito esse lugar e tenho boas lembranças. É uma pena estar assim”, completou Lorena Ramires.

Para Valdemir Pinheiro, faltou “preparo, atitude e vontade para continuar o trabalho empreendedor que uma pessoa iniciou”, fazendo menção ao empresário Ritta Bernardino, criador e proprietário do hotel que, em novembro passado, ficou internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) por quase uma semana.

Em maio do ano passado, uma equipe de reportagem do Em Tempo esteve no Ariaú e descreveu que já era perigoso andar sobre as pontes que ligavam as torres de números 1 e 3. Na época, falou-se em demolição. “(…) apartamentos que ainda estão arrumados desde que o último hóspede partiu, estão impregnados do cheiro de mofo e ocupados por aranhas e outros insetos, os únicos hóspedes no momento. Também há cupim corroendo vorazmente o mais ousado sonho do turismo de selva. Sem manutenção, volta e meia o hotel fica sem luz, pois a ventania dos temporais derruba galhos de árvores sobre a rede elétrica que leva energia do município de Iranduba. E aí não tem mais eletricista para fazer o reparo (…), descreve a reportagem.

Decadência

O hotel entrou em decadência em razão de uma dívida de R$ 1,5 milhão contraída com a BR Distribuidora, referentes ao Imposto Sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

A última vez que o Ariaú foi a leilão data do dia 25 de agosto de 2016. O lance mínimo era de R$ 13 milhões – metade do que fora avaliado. Mas, durante os dias em que o leilão esteve disponível na internet, não houve um lance sequer.

Rosianne Couto
EM TEMPO

1 Comment

1 Comment

  1. arq. keké

    24 de janeiro de 2017 at 23:13

    É uma pena ,mas convenhamos que a obra em si não tinha projeto definido e nem sistema construtivo aprovado e sistema de incêndio bombeiros em todos esses anos aprovaram com risco mais elevado madeira ?, o preço da avaliação deve ser por conta do terreno , que uma hora pertence a Manaus e outra a Iranduba a obra em si de valor so deve restar as estruturas se foram feitas em concreto .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir