Sem categoria

Abandono de centro de saúde, no Jorge Teixeira, revolta usuários

Depredação, abandono e mau cheiro são sinais claros no centro de saúde Waldir Bugalho - foto: Daniel Amorin

Depredação, abandono e mau cheiro são sinais claros no centro de saúde Waldir Bugalho – foto: Daniel Amorim

Inaugurada no dia 24 de junho de 2000, a casa da Saúde da Mulher Waldir Bugalho, no bairro Jorge Teixeira, Zona Leste de Manaus, se tornou referência no tratamento do câncer de mama e colo de útero. Porém, desde 2008, quando foram realizadas as últimas reformas no local, o centro está abandonado. De acordo com moradores, usuários de drogas costumam se reunir ali à noite.


“Muitas pessoas poderiam ser atendidas, mas infelizmente o estado do local é lamentável”, queixa-se o pastor Ednei Renovato. De acordo com ele, o líder da comunidade já encaminhou a solicitação aos órgãos responsáveis.
“Eles afirmaram que as reformas foram incluídas num plano de obras que atendeu bairros próximos. O problema é que, na avaliação das autoridades, não há condições de fazer reformas ali em períodos de chuva, pois os buracos alagam e a rua (7 de setembro) se transforma num lamaçal. Os motoristas também sofrem com as condições da via, mas acho que isso não justifica o abandono”, relata o pastor.
Em 2004, o centro recebeu a denominação de Unidade Básica de Saúde e passou a atender idosos e crianças. De acordo com uma fonte ouvida pelo EM TEMPO, a ex-diretora da casa passou a fazer vistorias constantes no local, mas nenhuma ação concreta foi tomada. “No ano passado, na época das eleições, o secretário municipal de Saúde anunciou que as reformas teriam início até o final deste ano”, lembra.
Ela havia acabado de chegar de uma consulta na Policlínica João dos Santos Braga, no bairro Nova Cidade, Zona Norte, onde acompanhou a filha durante uma consulta na manhã de ontem. “Sofro de hipertensão e diabetes. Frequentemente, tenho de me deslocar até o (hospital e pronto socorro) Platão Araújo. Se a casa estivesse funcionando, bastaria atravessar a rua para ser atendida”, observa.
Ela conta ainda que vândalos começaram a freqüentar o local seis meses após o término das reformas, que incluíram serviços de pintura e troca de portas. “Várias crianças costumam passar ali para chegar até a quadra de futebol e fazem arruaça lá dentro”. A reportagem do EM TEMPO constatou o mau cheiro e as más condições das instalações do antigo centro de saúde.

Outro lado
A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) informou que existe projeto de reforma para a UBS Waldir Bugalho, que está em início de processo de licitação. A Semsa acrescentou que a UBS já havia sido reformada e estava pronta para ser inaugurada quando houve depredação do prédio.
De acordo com a secretaria, o projeto de reforma prevê a construção de uma Unidade de Saúde de porte 4, que vai oferecer atendimento com quatro equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF). Cada equipe da ESF é composta, basicamente, por um médico, um enfermeiro, dois técnicos de enfermagem e sete agentes comunitários de saúde, tendo a capacidade de atender até 4 mil pessoas.

Por Daniel Amorim (equipe EM TEMPO)

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir