Política

AAM define data para eleição

Bi Garcia é um dos candidatos e espera apoio de 17 prefeitos e do governador – Divulgação

A eleição que irá escolher o novo presidente da Associação Amazonense dos Municípios (AMM) está marcada para o dia 31 de março, e nomes fortes já figuram entre os candidatos à vaga.

Não há detalhes sobre os pormenores dos critérios para a escolha deste ano. Isso porque a equipe jurídica ainda está finalizando o edital com todos os fundamentos que irão nortear a inscrição dos candidatos, que pode ser efetuada até 48 horas antes da votação. Todos os prefeitos e ex-prefeitos podem disputar a vaga. Nesse último caso, a situação é permitida por conta do tempo extra para dedicar-se aos municípios.

Ao ser eleito, o presidente da AAM terá a responsabilidade de participar de todas as questões do interior do Estado, discutir de leis, acompanhar envio de requerimentos e fiscalizar o trabalho da bancada federal, em Brasília, para obter conhecimento se nenhum direito dos municípios será perdido com base nas decisões.

O novo presidente participará de reuniões, mensais em Brasília para discutir a municipalidade, junto ao governo federal. É por meio da instituição que são oferecidos serviços como portal da transparência e Diário Oficial dos municípios.

A AAM trabalha em conjunto com Confederação Nacional dos Municípios (CNM) e direciona a ela verba mensal, de acordo com o recuso disponível em cada cidade, em escaladas classificadas em 0.6 (doação de R$ 1 mil), 0.7 (doação de R$ 2 mil), 3.2 (doação de R$ 4 mil) e o teto máximo, que é Manaus, classificada em 2.0 (com doação de R$ 20 mil). Este valor arrecadado mensalmente pela AAM garante o custeio de pagamento de profissionais da associação, técnicos e manutenção do prédio. E é desta mesma forma que CNM se mantém.

O presidente da AAM e ex-prefeito do município de Itamarati, João Campelo admite que ainda não tem certeza sobre a própria candidatar-se a reeleição e informou, que no momento está focado com questões municipalistas importantes. “Ainda não tirei tempo para discutir e rever a possibilidade da minha permanência no cargo. Esta decisão vai vir de uma opinião em conjunto, irei ouvir novos gestores”, disse, ao esclarecer que a equipe jurídica da associação teve um entendimento de que um ex-prefeito também pode lançar-se candidato por entender do funcionamento da municipalidade e ter mais tempo para assumir a responsabilidade. Com o edital disponível será possível saber, por exemplo, como deve ser a composição de chapa.

O prefeito de Parintins, Frank Bi Garcia que já havia informado ser candidato a vaga, revelou que está trabalhando para que a chapa dele tenha em torno de 17 a 20 prefeitos apoiadores e que o amparo do governador do Estado, José Melo (Pros) será um dos auxílios mais esperados. “Ele será o principal cabo eleitoral desta eleição”. “Acredito que até o dia 15 de março, já terei definido quem irá compor a minha chapa para união de forças. Não posso divulgar os nomes dos apoiadores para não atrair atenção dos adversários”disse

O prefeito de Manaquiri, Jair Souto (PMDB), ex-presidente da AAM nos anos de 2009 a 2012, adianta, que vai debater o assunto na próxima semana, quando reunirá com prefeitos de outros municípios para definir a composição de uma chapa. “Vamos delimitar o perfil, missão e valores, que temos na entidade. A partir desta definição, vou poder traçar um trabalho voltado para associação do jeito que queremos”, disse ao afirmar não ser candidato, mas garantindo ter a intenção de fortalecer a municipalidade. Dentro deste assunto, ele declara ser de importância apoio total aos prefeitos, para quer eles não tomem decisões equivocas para não ser penalizados no futuro.

 

Fabiane Morais

EM TEMPO

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

grupo
Subir